Resenha de Artigos

Papel dos Pili na Adesão Celular e na Patogenicidade

PiliA adesão da bactéria à célula do hospedeiro é um pré-requisito para a colonização e infecção, especialmente em órgãos e sistemas que apresentam um fluxo contínuo de fluido, tais como o urinário, gastrointestinal, respiratório, sanguíneo e linfático. A aderência é um fenômeno de reconhecimento, por parte do microrganismo, da célula do hospedeiro, ocasionado principalmente pelas fímbrias ou pili, que interagem com receptores presentes na superfície das células alvo. Este fenômeno, denominado tropismo, explica a preferência que determinadas espécies apresentam em relação a alguns hospedeiros, órgãos e sistemas. Os pili são filamentos (figura 1), de estrutura polipeptídica, distribuídos por toda a superfície bacteriana ou em regiões específicas. A expressão dos pili é influenciada pelas condições de desenvolvimento do microrganismo (pH, pressão osmótica, atmosfera, temperatura e disponibilidade de nutrientes).

Baseado em suas propriedades adesivas sobre as células sanguíneas (hemaglutinação) os pili são classificados em três tipos: não hemaglutinantes, hemaglutinantes inibidas pela manose (manose sensíveis) e hemaglutinantes não inibidas pela manose (manose resistentes).

Os pili manose sensíveis (HAMS), denominados tipo 1, são geralmente encontrados em microrganismos Gram negativos tais como Escherichia, Klebsiella, Enterobacter, Shigella, Salmonella, etc. Exercem atividade aglutinante sobre hemácias de diversas espécies animais, inclusive humanas, superfície da membrana é rica em manose. São comumente encontradas em isolados de Escherichia coli enteropatogênicos e uropatogênicos.

Os pili manose resistentes (HAMR) compreendem um grupo heterogêneo de estruturas bacterianas que se ligam a diferentes carboidratos, exceto a manose. Destacam-se neste grupo os pili P, presentes nos isolados uropatogênicos de Escherichia coli, que reconhecem os receptores, ricos em galactose, presentes em hemácias humanas do grupo sanguíneo P e nas células uroepiteliais.

A presença de pili HAMS e HAMR foram demostrados em isolados de Escherichia coli provenientes de pacientes com infecções urinárias de repetição e pielonefrite.

Os pili são classificados ainda segundo sua função em 4 tipos, numerados em algarismos romanos:

  • Tipo I e II com função adesiva à célula do hospedeiro;
  • Tipo III que apresenta a função de introduzir fatores de virulência nas células alvo, ativando-se a partir do contato com elas;
  • Tipo IV de secreção ativa para o meio ambiente periférico.

Ocorrem ainda pili especializados na transferência de material genético entre bactérias, denominados pili sexuais. Apresentam importante papel na disseminação de fatores genéticos de patogenicidade e resistência aos antimicrobianos. Este fenômeno de transferência gênica é denominado conjugação.

OU JT et al. Role of Pili in Bacterial Conjugation.  J Bacteriol. 102(3): 648-654. 1970.

HAGBERG L et al. Adhesion, hemagglutination, and virulence of Escherichia coli causing urinary tract infections. Infect Immun. 31(2): 564-570. 1981

CLEGG, S. et al. Enterobacterial Fimbriae. Journal of Bacteriol. 169(3): 934-938. 1987.

MARDH PA et al. Adherence of bacterial to vaginal epithelial cells. Infect Immun. 13(3): 661-666. 1976.

WILSON R et al. The biology of bacterial colonization and invasion of the respiratory mucosa. Eur Respir J. 9:1523–1530. 1996.

 

Você precisa estar logado para fazer um comentário.