Resumo de Artigo

Monitoramento Microbiológico da Mastite Ovina na Região de Bauru-SP.

As mastites são inflamações agudas ou crônicas da glândula mamária, caracterizadas por alterações físicas, químicas e bacteriológicas no leite. O leite ovino tem ocupado uma importância cada vez maior no mercado, podendo ser utilizado na produção de queijo e outros derivados, contribuindo para o aumento da receita do produtor rural. Entretanto, a mastite pode determinar redução, tanto na quantidade quanto na qualidade do leite produzido, levando à redução do ganho de peso dos cordeiros e causando aumento da mortalidade nos animais. Ressalta-se ainda o aspecto de saúde pública, pela redução do nível de nutrientes, assim como a intensa multiplicação microbiana que pode ocasionar diarreias e outras zoonoses. Pretendeu-se com este trabalho avaliar a frequência de casos de mastite em 159 ovelhas procedentes de vinte pequenas propriedades localizadas em Bauru, SP, e região. Das 309 amostras colhidas, em 97 (31,4%) foram isolados micro-organismos do gênero Staphylococcus sp., sendo 27,5% Staphylococcus sp. coagulase negativos e 3,9% Staphylococcus sp.coagulase positivos. Dos 177 isolamentos, 97 (54,8%) foram representados pelo gênero Staphylococcus, sendo 57 (58,8%) obtidos em cultura pura e 40 (41,2%) em associação. A maioria dos agentes isolados foi sensível aos antimicrobianos utilizados no teste. Assim, pôde-se verificar o isolamento de micro-organismos contagiosos, como Staphylococcus sp. coagulase negativo e positivo, sendo que, assim como na bovinocultura leiteira, medidas de profilaxia para obtenção higiênica do leite são de extrema importância para adquirir-se um produto final de qualidade, e seguro do ponto de vista microbiológico e alimentar.

LUCHEIS SB, et al. Monitoramento Microbiológico da Mastite Ovina na Região de Bauru-SP. Arquivos do Instituto de Biologia, 2010;77(3):395-403.

Você precisa estar logado para fazer um comentário.